Treinar sozinho ou com profissional?

A corrida de rua conquista cada vez mais adeptos pois, além de ser uma modalidade apaixonante, não requer muitos apetrechos para ser praticada. Basta um tênis e a vontade de correr, certo?

Eu diria, não exatamente. Apesar das facilidades, a prática da corrida de rua também requer conhecimentos específicos para que você acima de tudo, não se machuque e tenha mais eficiência. Eficiência em correr mais e melhor. Eficiência em perder gordura. Logo, falta um elemento básico nessa equação tênis + vontade: a orientação do educador físico.
Na minha concepção de corredora, o profissional melhora o desempenho do corredor. Isso é muito importante, pois muitas pessoas começam a correr buscando um resultado rápido, e aí entra o profissional para dosar esta ansiedade, e ao mesmo tempo mostrar progresso constante no seu desenvolvimento.

Existe um elo entre suas necessidades e os resultados
Conversando com o Educador Físico Márcio Deleigo (Acahdre) sobre a corrida com orientação profissional esclarecemos algumas dúvidas que mais percebo entre os corredores:

“A maioria das pessoas começa a correr porque quer ficar com um corpo magro e bonito, com músculos que esculpam esse corpo bonito, porém, se você prestar atenção no corpo de quem corre muito e de forma correta, ele é basicamente magro.  Maratonistas, homens ou mulheres, têm baixo percentual de gordura e um peso muito baixo. E para chegar a este resultado, correm em média 50 quilômetros por semana, ou mais, dependendo da disponibilidade para treinar. Se a sua intenção não é simplesmente perder peso ou gordura, o professor vai orientá-lo para que haja um equilíbrio entre modalidades”.

Percebe-se, que o profissional, ou assessoria de corridas, é o elo entre as suas necessidades, e muitas vezes suas vontades, e seus resultados. Além de montar seu treino direcionado aos seus objetivos, é ele quem vai perguntar, verificar e acompanhar seus resultados, cobrar sua presença nos treinos, parabeniza-lo (raramente recebi) após uma sessão de treino, incentivá-lo a não desistir e avaliar suas possíveis dificuldades. Na minha opinião, com base no que disse o Márcio, seria o papel do treinador na sua vida de atleta: melhorar o desempenho do corredor.

Não basta sair correndo

Márcio continua falando sobre o treinamento: “Após uma avaliação física e uma conversa sobre seus objetivos, o educador físico vai indicar a frequência e a intensidade dos treinos de corrida e também se é necessário aliar este treinamento com outra modalidade. Isso é determinante! Vale lembrar que há quem desista de correr porque não alcança seus objetivos com a corrida, por isso é tão importante adequar seu objetivo à modalidade. E o mais importante, evitar possíveis lesões por exercícios e carga de treinamento inadequados a sua condição física atual”, explica Márcio.

Tudo tem embasamento científico. Um treino de corrida envolve uma série de estudos para que você tenha o melhor aproveitamento possível e alcance os resultados esperados, seja ele condicionamento ou performance. Espera-se que o educador físico vá te explicar o que cada tipo de treino vai beneficiar no seu rendimento, desenvolver outros trabalhos como resistência, velocidade, fortalecimento muscular, tolerância ao lactato, treinos anaeróbios treino intervalado extensivo ou intensivo, fartlek, entre outras técnicas.

Corrigindo a técnica
Ao correr, você estressa seu sistema cardiovascular, seu coração bate mais forte, os pulmões fazem a troca gasosa entre oxigênio e CO2 com mais eficiência, seu corpo produz mais mitocôndrias para levar oxigênio e produzir energia para os músculos. Tudo isso vai acontecer, independentemente do seu treino de corrida ter ou não orientação profissional. Isso é fato!!!!

Talvez você tenha a percepção que corra bem e com ótima postura. Porém, só o professor vai corrigir suas passadas e sua postura, verificar se o seu corpo está muito inclinado ou estendido, se você olha para o chão ou para frente, se seus braços ficam como pêndulos ou se você arrasta muito a perna, entre outros detalhes ou seja, sua biomecânica na corrida.

A questão técnica que o professor corrige, ou deveria corrigir, garante que a sua corrida seja mais eficiente, que você siga um padrão de movimento para ter mais economia de movimento e de energia. Assim, além de melhorar os sistemas cardíaco, circulatório e muscular, você terá um corpo mais regulado, funcionando melhor para correr.

“O primeiro passo que sempre recomendamos é uma avaliação física e médica para sabermos a condição atual do futuro corredor (percentual de gordura, teste Vo2 max), se existe alguma contra-indicação ao exercício físico e, assim, podermos iniciar a preparação dos treinos, estipulando as metas e objetivos a serem alcançados”  finaliza Márcio.

Minha visão de corredora amadora

E finalizando, com o conhecimento que Márcio me transmitiu é que, para quem está iniciando e está acima do peso, é importante que em paralelo a prática da corrida, seja acrescentado exercícios de fortalecimento muscular, para prevenir possíveis lesões por sobrecarga muscular, devido ao excesso de peso.  Muito importante também priorizar treinos com baixa intensidade e volume moderado, isso irá favorecer o gasto calórico e também vai permitir que o corpo se adapte mais facilmente ao estímulo da corrida. Sem dúvida, treinar com um profissional melhora o desempenho do corredor.

Então já sabe qual a importância …..Bons treinos!!!