Sim, existe vida após a maratona

A maratona é sem dúvida uma das competições desportivas mais exigentes em termos de desgaste muscular, fisiológico e mesmo psicológico, não só do atletismo, mas de todas as modalidades desportivas.

Completar uma maratona é para qualquer atleta um desafio emocionante, mas que implica uma excelente condição física e psicológica, um grande espírito de sacrifício e uma enorme força de vontade, uma preparação longa e muito rigorosa, uma grande perseverança ao longo de todos os meses dessa preparação, um planejamento de treino sistemático, e um grande cuidado com a saúde, principalmente com à recuperação e à nutrição.

Assim, os atletas precisam regenerar o seu organismo em termos musculares e fisiológicos, de um esforço muito forte, e também recuperar-se em termos psicológicos de um ciclo de treino longo, que terminou numa prova muito dura e exigente, para reencontrarem toda a motivação necessária para o início de um novo ciclo de treino.

O que muita gente esquece é que a recuperação depois de uma maratona é tão importante quanto os treinos antes dela. Após uma maratona você acaba descobrindo músculos que nem imaginava ter. Músculos, hormônios, tendões, células e quase todo o sistema fisiológico são afetados quando corremos 42km, e isso independe se você é canela fina sub 3 horas ou se vai no trotinho acima de 4 horas.

Meu treinador sempre frisava a importância de descansar por sete a dez dias, e que isso tem pouco impacto negativo sobre a nossa forma física, e os ganhos a longo prazo superam qualquer redução temporária de condicionamento garantindo um corpo descansado para o próximo desafio. Sim porque sempre pensamos no próximo!!!

Já na visão do meu ortopedista Dr. Fernando Silva “Além do desgaste psicológico, a maratona tem um enorme desgaste físico. A nível muscular, correr mais de 42 quilómetros em piso de asfalto é muito duro para os Tendões de Aquiles, para os músculos das pernas, nomeadamente os Gémeos e também para as costas. O choque do pé no solo a cada passada de corrida corresponde a um força entre três e cinco vezes o peso do corpo do atleta. Esta força varia conforme o tipo de piso (quanto mais duro, maior a força exercida), a velocidade de corrida (quanto maior a velocidade maior a força exercida), e o peso do corpo (quanto mais pesado maior a força exercida). O impacto do apoio do pé no solo é absorvido em parte pelo tênis de corrida, mas a maior parte é transmitida diretamente as pernas e as costas. O impacto no joelho é de até 7 vezes o peso corporal do atleta em cada passada de corrida durante mais de 42 quilometros. Esta carga é proporcional: quanto mais velocidade, mais impacto sobre as articulações, daí compreende-se a razão das dores musculares após uma maratona”.

Com isso tudo aprendi que o dia seguinte a maratona começa o período de recuperação que nunca deve durar menos de duas a três semanas. Apesar das dores provocadas pela prova, é muito importante que nos dois dias seguinte à prova se faça um treino muito leve de 20 minutos, muito lento e em terreno macio (grama ou ate na piscina). Este repouso ativo vai acelerar o processo de recuperação, ajudando o organismo a eliminar as toxinas acumuladas durante o esforço. Depois destes dois primeiros dias de recuperação pode-se então fazer um ou dois dias de repouso absoluto. Durante esses dias é recomendado utilizar meios auxiliares de recuperação, como massagens. Outro meio eficaz na recuperação são os contrastes de água fria e água quente, mas no geral 3 dias após a maratona as dores desaparecem como um passe de mágica.

Após esta primeira semana, deve-se recomeçar a treinar de forma muito progressiva, utilizando apenas corrida contínua seguida de ligeiras sessões de flexibilidade e alongamentos. A corrida contínua durante a primeira semana não deve ultrapassar os trinta minutos, parece brincadeira dizer isso para quem correu uma maratona, mas o ritmo deve ser lento e de preferencia na grama. A partir da primeira ou da segunda semana, cada um pode ir aumentando de forma muito progressiva o seu tempo de corrida , tentando sempre fazê-lo de acordo com a sua própria recuperação.

Nosso sistema imunológico fica não só fica comprometido como também nos deixa muito mais suscetíveis a doenças, resfriados e overtraining. Os primeiros três ou quatro dias são super importantes no processo “desinflamatório”. Neles é legal se alimentar bem (carboidratos e proteínas reparam o dano muscular / frutas com vitamina C e antioxidantes ajudarão a combater os danos dos radicais livres e estimular o sistema imunológico), e claro, descansar.

Quando será a próxima maratona mesmo??

 

Postagens Relacionadas

A corrida e a perda de peso Nesta sociedade moderna e caótica que vivemos, todos querem resultados rápidos e duradouros. Seja na religião, no trabalho, no futebol, e na corrida n...
Suplementos, você realmente precisa? Uma rápida visita em uma loja de suplementos pode deixar-lhe completamente confusa. Para quem não sabe exatamente o que procura (e precisa!), as opçõe...
Bermudas de compressão e sua utilidade Neste grande universo da corrida de rua, há alguns itens que se adentraram e estão caindo no gosto dos usuários cada dia mais. Apesar de alguns cor...
Por que tanto sacrifício? “Você é louca!" Essa é a exclamação mais frequente ouvida por quem convive com as dores e delícias da corrida, principalmente MARATONAS. A maratona...