Pedalar ajuda a correr melhor

Não!!! Não estou falando de duathlon ou triathlon…

A corrida já faz parte da sua vida e religiosamente você calça o tênis e sai duas, três ou quatro vezes por semana para treinar. Espera ansiosamente pela prova do mês e não vê a hora de bater o próprio recorde. Já pensou, então, em incluir treinos de bicicleta na rotina e melhorar seu desempenho nas pistas? Sessões de bike, indoor ou outdoor, podem ajudar no condicionamento vascular, trabalhar a musculatura inferior, aumentar o seu VO2 e, de quebra, lhe livrar da monotonia. A corrida de longa distância provoca mais lesões do que pedalar mesmo quando ambos desportos são praticados na mesma intensidade. Segundo alguns estudos os corredores sofrem mais lesões nos músculos, dores e problemas inflamatórios do que os ciclistas, apesar de treinarem à mesma intensidade.

Neste post o treinador Ton Almeida dá as dicas para você incluir essa modalidade na sua rotina. E o melhor, não precisa se acabar no pedal. Um ou dois treinos semanais, em dias alternados com a corrida, já geram benefícios ao corredor.

“Nesta modalidade, como a solicitação muscular ao pedalar é completamente diferente da corrida, isso pode favorecer o maior equilíbrio muscular das pernas do corredor. No entanto, com base no princípio da especificidade do treinamento, se você quer correr melhor deve focar seus treinos na corrida, deixando o ciclismo apenas como coadjuvante do treinamento”.

Mas nada de sair pedalando sem rumo, é preciso ter foco. Se correr é o seu esporte principal, então as pedaladas devem ser feitas alternando entre os dias de corrida, com intensidade entre baixa e moderada. Já a forma de curtir o esporte secundário fica ao seu gosto, pois a atividade pode ser realizada tanto em ambientes fechados, como em casa ou em academias, como ao ar livre.

Portanto, foque sua energia na corrida e use a bicicleta apenas como descanso ativo e motivação para os treinamentos. Lembre-se, o descanso é tão importante quanto a atividade física. Isso porque, durante a atividade física, entramos numa fase catabólica (consumo, gasto), ou seja, estamos catabolizando energia, destruindo nossas fibras musculares, gastando nossas reservas energéticas e gerando “estresse” muscular.

Pedalar pode ser também a salvação de quem está machucado ou quer treinar sem se machucar. “Serve para as duas coisas: tanto para aquele atleta que se lesionou e não quer perder o condicionamento, como para aqueles que querem melhorar a resistência, aumentando o volume de treino, sem correr o risco de se lesionar.

Só lembrando….
A corrida é um exercício que queima quase tanta gordura quanto o ciclismo, aumenta a resistência, exercita a cabeça e o lado neurológico, melhora o sono, deixa o coração mais resistente aumentando o fluxo sanguíneo nas coronárias (que irrigam o coração), estimula a capacidade de concentração do músculo cardíaco, aumenta a autoestima pois aumenta a ligação de receptores de endorfina e previne doenças pois eleva a produção de macrófagos (células que atacam bactérias e vírus). E, é claro, a corrida também deixa seus ossos mais fortes por conta do impacto com o solo que o ciclismo não faz.
Quando você pedala….a musculatura mais exigida nos treinos na bike não são os mesmos de uma corrida, por isso, pode ser um ótimo treinamento regenerativo. Como não tem impacto, alivia as articulações – principalmente os joelhos. Por último, dá força aos membros inferiores e melhora o fôlego do atleta.
Resumindo…..
Se você já pedala, mas está procurando outros exercícios para complementar o seu desempenho físico e mental a corrida será um complementos perfeito e que te fará um bem inestimável, principalmente se você já esteja no ciclismo há algum tempo, outra vantagem é que não tem problema praticar essas duas atividades, desde que sejam feitas em horários diferentes. Por exemplo, a corrida de manhã e a pedalada à noite.

Ton Almeida

Assessor Esportivo

ewerton.snj@hotmail.com